Projeto Político Pedagógico

O egresso do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental será capaz de planejar, gerenciar e executar atividades de diagnóstico, propondo a mitigação e recuperação de ambientes impactados. Caberá também a este profissional à coordenação de equipes multidisciplinares de licenciamento ambiental, bem como será o responsável pela implantação, avaliação e acompanhamento de políticas e programas de educação ambiental, gestão ambiental e monitoramento da qualidade ambiental.

Em consonância com as novas necessidades de formação dos profissionais na área ambiental devido às constantes inovações tecnológicas que exigem a utilização de ferramentas Sensoriamento Remoto, Geotecnologias e Geoprocessamento como apoio à Gestão Ambiental. Os futuros tecnólogos em Gestão Ambiental, deverão estar aptos para a recorrente análise e proposição de soluções para a Gestão e Planejamento Ambiental urbano e rural, inclusive a nível local.


O Tecnólogo em Gestão Ambiental poderá atuar em empresas de planejamento, desenvolvimento de projetos, assessoramento técnico e consultoria, empresas em geral (indústria, comércio e serviços), propriedades rurais e empreendimentos de agricultura familiar, Organizações não-governamentais, Órgãos públicos, Institutos e Centros de Pesquisa, Instituições de Ensino, mediante formação requerida pela legislação vigente.


A organização do curso está estruturada na matriz curricular, distribuída em três eixos de conteúdo, que consistem em um conjunto de conteúdos curriculares principais, agrupados de modo a resultar ao final do curso um profissional com as habilidades e competências do perfil do egresso:

                               I.            Caracterização Ambiental: tem como objetivo capacitar o aluno a analisar e compreender o comportamento dinâmica dos ecossistemas. Temos como disciplinas componentes: Análise de Risco Ambiental, Fundamentos de Drenagem Urbana e Rural, Química Ambiental, Fundamentos de Geologia, Elementos de Ciência do Solo, Fundamentos de Ecologia, Microbiologia Ambiental, Fundamentos de Hidráulica, Fundamentos de Hidrologia, Avaliação de Impactos Ambientais e Fundamentos de Geotecnia Ambiental.

 

                            II.            Tecnologia Ambiental: tem como objetivo capacitar o aluno para aplicar tecnologias voltadas para análise e monitoramento dos sistemas ambientais, visando o uso sustentável dos recursos naturais. As disciplinas desse eixo são: Fundamentos de Cartografia e Sensoriamento Remoto, Fundamentos de Drenagem Urbana, Sistema de Abastecimento de Água, Sistema de Tratamento de Esgoto, Tratamento de Efluentes Industriais, Geoprocessamento Aplicado à Gestão Ambiental, Energias Renováveis e Recuperação de Áreas Degradadas II.

 

                         III.            Planejamento e Gestão Ambiental: tem como objetivo capacitar o aluno para gerenciar o uso de recursos naturais e atuar no planejamento de atividades urbanas, rurais e industriais, tendo como princípio o Desenvolvimento Sustentável. Temos como disciplinas específicas deste eixo: Gestão de Resíduos Sólidos, Saúde Ambiental, Fundamentos do Direito Ambiental Brasileiro, Legislação Ambiental, Biologia da Conservação, Gestão Ambiental de Áreas Protegidas e Unidades de Conservação; Gestão de Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas, Gestão Ambiental do Espaço Urbano, Governança Ambiental e Recuperação de Áreas Degradadas I.


As metodologias propostas serão adequadas aos conteúdos, de forma a atingir os objetivos previstos para o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental. Para tal, serão utilizadas aulas teóricas e práticas. Durante as aulas práticas, será estimulado o uso pelos docentes de laboratórios que irão contribuir para a construção de um sólido conhecimento nas diversas áreas do conhecimento.

Cada disciplina possui um Programa Analítico específico que tem como fundamento à orientação quanto a planejamento semestral da distribuição de conteúdos e notas.

A metodologia aplicada nos diversos conteúdos buscará a valorização da interdisciplinaridade e o incentivo do desenvolvimento de projetos de pesquisa na área de Tecnologia em Gestão Ambiental, a participação em eventos científicos, a participação em projetos de monitoria, projetos de extensão, entre outros. Procura-se valorizar os conhecimentos prévios dos (as) discentes, sua autonomia e seus diferentes ritmos de aprendizagem.

Os docentes têm liberdade para utilizar inúmeras estratégias metodológicas, como: aulas expositivas, seminários, debates, atividades em grupo, atividades individuais, atividades práticas diversas, dentre outras.

Como suporte ao processo de ensino aprendizagem utiliza-se o Moodle (Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment), um software livre, de fácil acesso, que possui ferramentas que podem aumentar a eficácia de um curso ou disciplina em particular, bem como o SIGAA acadêmico.


O sistema de avaliação é um instrumento metodológico importante que, coerente com a concepção do curso e através da utilização de instrumentos variados, permite verificar a agregação das habilidades e competências definidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) e no PPC. A organização curricular apresenta um conjunto de atividades de ensino-aprendizagem e a cada atividade incorpora-se uma metodologia específica de ensino e, por consequência, uma metodologia de avaliação que deve ser observada na descrição dos Programas Analíticos das Disciplinas, elaborados por cada docente.

No Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus São João Del-Rei/MG, a avaliação do processo ensino-aprendizagem é realizada de forma contínua, cumulativa e sistemática, com o objetivo de diagnosticar a situação de aprendizagem de cada aluno em relação a programação curricular. A avaliação não deve priorizar apenas o resultado, mas deve como prática de investigação, interrogar a relação ensino-aprendizagem e buscar identificar os conhecimentos construídos e as dificuldades de forma dialógica. Toda resposta ao processo ensino-aprendizagem é uma questão a ser considerada por mostrar os conhecimentos que já foram construídos.

            A avaliação tem como objetivo desenvolver a autonomia do educando, contribuindo para o seu pleno desenvolvimento social, moral e intelectual. Ela pode fornecer subsídios para uma reflexão constante de sua prática e favorece a utilização de novos instrumentos de trabalho. O atual Regulamento Acadêmico de Graduação (RAG) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais estabelece normas para a avaliação do ensino-aprendizagem do discente. Assim, pelo RAG, o discente é considerado aprovado se obtiver nota da disciplina maior ou igual a 60 (sessenta) e frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) na disciplina e alcançar, na média final (MF), nota igual ou superior a 60 (sessenta). É considerado reprovado, o discente que ao concluir o semestre letivo, obtiver nota na disciplina inferior a 40 (quarenta) ou frequência inferior a 75% (setenta e cinco por cento).

            O Exame Final é ofertado ao discente que obtiver nota da disciplina inferior a 60 (sessenta) e maior ou igual a 40 (quarenta) e frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento). O discente que se submeter ao Exame Final será considerado aprovado caso obtenha nota mínima de 60% (sessenta por cento). O RAG diz ainda que "deverão ser aplicadas no mínimo três (3) avaliações por disciplina" no decorrer do semestre letivo e que "os critérios e valores de avaliação adotados pelo professor deverão ser explicitados no Programa Analítico e apresentados aos discentes no início do período letivo".

            Assim, cada docente, no seu Programa Analítico da Disciplina, deve expor as metodologias de ensino-aprendizagem a serem utilizadas e os procedimentos de avaliação coerentes. Aplicam-se depois os critérios de aprovação e composição dos resultados, definidos no RAG.

            A avaliação escolar é vinculada à prática adotada em sala de aula, favorecendo a aprendizagem. Cabe também ao professor desenvolver um processo de auto avaliação contínua para que possa identificar possíveis desvios em relação a esse processo. Para o aluno, a avaliação é o instrumento de tomada de consciência de suas conquistas, dificuldades e possibilidades, o que lhe facilitará a reorganização da sua tarefa de aprender.

            Para a instituição, possibilita definir prioridades e localizar os aspectos das ações educacionais que demandam maior apoio. É assegurado ao aluno o acesso a todos os trabalhos e provas por ele realizados para fins de avaliação escolar, desde que se apresente em dia e hora fixados pelo professor para esse acesso.

            Os resultados de toda e qualquer avaliação, incluindo a frequência, serão computados e divulgados pelos docentes no SIGAA.

            Semestralmente ocorrerá o Conselho de Classe e sempre que necessário, serão organizadas reuniões pelo Colegiado do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, com o objetivo de discutir rendimentos, frequências e acompanhar individualmente cada aluno, identificando possíveis falhas e assim poder futuramente corrigi-las.

            Cabe também ao professor desenvolver um processo de autoavaliação contínua para que possa identificar possíveis desvios em relação a esse processo. Neste sentido, a Coordenação Geral de Ensino (CGE), aplica semestralmente a “Avaliação Docente” para todos os discentes do curso, para que esses possam avaliar seus professores em vários aspectos, incluindo a metodologia adotada por cada um. Posteriormente os resultados da referida avaliação são repassados aos docentes o que também contribui para a avaliação e melhoria contínua do processo ensino-aprendizagem.


O Projeto Pedagógico do Curso Superior de Gestão Ambiental materializa as diretrizes, filosofias e pressupostos das políticas pedagógicas propostas pelo IF Sudeste-MG, sendo responsável direto pela qualidade da formação oferecida. Diante disso, a avaliação do referido documento é imprescindível para a avaliação da qualidade do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental dar-se-á mediante o cumprimento do Projeto Pedagógico do Curso, especialmente no que se refere ao cumprimento dos seus objetivos; perfil do egresso, habilidades e competências; organização curricular; flexibilização curricular, corpo docente e discente, entre outros. Essa avaliação periódica do PPC é fundamental para assegurar que os resultados estejam dentro dos objetivos previamente estabelecidos. Proporcionando ao Colegiado do Curso, juntamente com o Núcleo Docente Estruturante (NDE), a oportunidade de verificar continuamente os resultados, avalia-los e aprimorar o que for necessário para que os objetivos sejam alcançados. Esta avaliação contínua depende da participação de toda a comunidade acadêmica: professores, alunos, técnico-administrativos, Direções Sistêmicas e Direção Geral, para a busca de qualidade do ensino.

A Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais – IF Sudeste MG, instituída pela Portaria-R nº 120/2010, de 8 de março de 2010, em atendimento ao que preceitua a Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), constitui-se num órgão responsável pela coordenação, articulação do processo de autoavaliação do IF Sudeste MG e disponibilização de informações.

            Além disso, a Comissão Própria de Avaliação (CPA), do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais, tem por finalidade a implementação do processo interno de avaliação do IF Sudeste MG, a sistematização e a prestação das informações solicitadas pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES). A CPA, atuará com autonomia em relação aos conselhos e demais órgãos colegiados existentes no IF Sudeste MG. O referido processo de autoavaliação do curso, presente no programa institucional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, trata-se de um processo contínuo com permanente interação que visa o aperfeiçoamento do curso. A avaliação interna institucional consiste em um processo de caráter diagnóstico, formativo e de compromisso coletivo, cujo objetivo é identificar o perfil da instituição e o significado de sua atuação por meio de suas atividades, cursos, programas, projetos e setores, observando os princípios do Sistema Nacional

O Campus de São João del-Rei do IF Sudeste MG possui a Subcomissão Própria de Avaliação (SPA), que dentre uma de suas atribuições, está a de efetuar a avaliação interna institucional; atividade que consiste em um processo de caráter diagnóstico, formativo e de compromisso coletivo, cujo objetivo é identificar o perfil da instituição e o significado de sua atuação por meio de suas atividades, cursos, programas, projetos e setores, observados os princípios do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior e as singularidades do IF Sudeste MG.[FA1] 

Ao final de cada ano letivo, a SPA aplica instrumentos junto aos alunos, professores e técnicos administrativos, que avaliam não somente a instituição, mas também o curso, os professores e a Coordenação do Curso no qual o aluno está inserido. Desta forma, é possível detectar possíveis falhas e traçar novas metas para o curso. Os resultados são divulgados no site da instituição e também são anexados nos murais da Instituição.

Das análises desses instrumentos, podem-se propor mudanças na estrutura e no funcionamento da Instituição. Acredita-se que a avaliação institucional realizada de forma constante e periódica, visa adequar a atuação do Campus às diretrizes do IF Sudeste MG, de forma a garantir a qualidade e aperfeiçoamento de cada Campus.

            Diante do exposto, o NDE do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental é responsável pela concepção do Projeto Pedagógico do Curso e tem como objetivo atualizar o complementar o mesmo quando se fizer necessário, bem como verificar a sua efetiva implantação de forma a garantir a qualidade e constante aperfeiçoamento do Curso.

Baixar Arquivo
SIGAA | Instituto Federal do Sudeste de MG - 3257-4100 | Copyright © 2006-2021 - IF Sudeste MG - sig07.ifsudestemg.edu.br.sig07